quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Vigilantes particulares viram alvo de bandidos em Sergipe


Os assaltantes querem as armas dos seguranças. Só esse ano já foram roubadas 43 armas de vigilantes.
SSP planeja ações para coibir o roubo de armas de fogo de vigilantes


Quem deveria proteger virou alvo em Sergipe. Os vigilantes particulares entraram na mira dos assaltantes -
que querem as armas dos seguranças.
A viúva Simone sabia dos riscos que o marido enfrentava como vigilante. “Ficava assustado, mas era a
profissão dele, o que ele mais gostava de fazer”, conta.
Cleber Antônio, de 43 anos, foi assassinado enquanto trabalhava em uma revendedora de veículos em
Aracaju. Segundo a polícia, os bandidos queriam a arma da vítima.
Em uma agência bancária, o segurança não reage e mesmo assim é atingido com um tiro na perna.
No Tribunal de Contas da União, um dos vigilantes também ficou ferido.
Em todos os casos, o mesmo alvo: a arma dos seguranças.
Este ano, até agora, já foram roubaCNTV lamenta equívoco do Sindicato Patronal Vigilantes mortos e feridos e o Sindicato Patronal de Sergipe está preocupado tão somente com a recuperação das armas roubadas dos vigilantes. É lamentável que a preservação da vida dos trabalhadores não seja o foco principal das ações da entidade dos patrões. O silêncio dos bancos e órgãos contratantes é estarrecedor, pois como disse o presidente do Sindicato dos Vigilantes de Sergipe, o número reduzido de vidas 43 armas de vigilantes. Buscando alternativas para solucionar o problema, o Sindicato das Empresas de Segurança Privada de Sergipe pretende pagar aos policiais uma recompensa de R$ 400 por cada arma recuperada.
“É interessante, porque se ela não volta, novas armas que serão compradas  e gera um novo custo”, explica Marco Aurélio Pinheiro, presidente do Sindicato de Empresas de Segurança Privada.
Apesar de ainda não ter uma solução para o problema, a Secretaria de Segurança Pública de Sergipe discorda dessa medida. “O estado de Sergipe já gratifica todos os policiais, seja ele civil ou militar, que apreende armas nas suas missões”, explica João Eloy.
Para o Sindicato dos Vigilantes, a saída é diminuir a sobrecarga dos profissionais. “A Polícia Militar trabalha com equipe, com quatro, e o nosso vigilante trabalha com um homem. Onde é mais fácil? O alvo é o
vigilante”, afirma.
Fonte: Bom Dia Brasil

CNTV lamenta equívoco do Sindicato Patronal
 Vigilantes mortos e feridos e o Sindicato Patronal de Sergipe está preocupado tão somente com a recuperação das armas roubadas dos vigilantes. É lamentável que a preservação da vida dos trabalhadores não seja o foco principal das ações da entidade dos patrões. O silêncio dos bancos e órgãos contratantes é estarrecedor, pois como disse o presidente do Sindicato dos Vigilantes de Sergipe, o número reduzido de vigilante em cada posto facilita a ação dos bandidos. Faltam também melhores condições de trabalho e mais segurança, com portas giratórias e local adequado e seguro para o vigilante ficar nos bancos e outros órgãos mais visados, como os fóruns.

Por isso, estamos na luta, junto com a CONTRAF, por mais segurança bancária e em defesa da vida dos 
vigilantes, bancários e clientes.
Fonte: CNTV


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comunicado: Os mais de 300 demitidos da Prosegur Paraguai apresentam suas ...

O movimento sindical brasileiro perde uma mulher lutadora e guerreira; a família CSPB...

Quando o ex-presidente da CSPB, Raimundo Nonato Cruz, imprimiu novas estratégias na condução política e administrativa da Confederação, ainda no calor da Assembleia Nacional Constituinte, uma das suas decisões foi no sentido de incorporar novos quadros dirigentes.

Polícia apura conexão entre ataques a cofres eletrônicos:

A prisão em flagrante de um ladrão por volta das 23h30min de sábado, enquanto arrombava um caixa eletrônico em uma agência do Santander, na Avenida Assis Brasil, na Capital, reforçou ainda mais a certeza, entre policiais, da existência de uma conexão entre esse tipo de crimes em todo o país. É que, novamente, o criminoso surpreendido pela Brigada Militar é catarinense — como eram três dos quatro arrombadores presos em junho em Rio Pardo. E como catarinenses eram, também, os quatro ladrões presos em Vitória (ES), em março, com R$ 500 mil provenientes do arrombamento de uma agência bancária. O ladrão azarado da vez é Robson Muller, 28 anos, técnico em manutenção, de Joinville (SC). Pelo menos outro homem, que, segundo a polícia, vigiava a ação do bandido do lado de fora, conseguiu fugir em um automóvel, assim que a viatura da polícia chegou ao local, depois do acionamento do alarme da agência. Muller foi surpreendido enquanto operava uma furadeira. Ele ainda tinha outras ferramentas, como transformadores e alicates. Autuado por furto, o arrombador foi encaminhado ao Presídio Central. Na semana passada foram registrados outros dois casos relacionados a arrombamento de caixas eletrônicos do Santander no Estado. Na última quinta-feira, em Torres, Jeferson de Freitas, 29 anos, funcionário de uma fábrica de antenas parabólicas em Jaraguá do Sul (SC), foi encontrado por cinco PMs dentro de um táxi quando fugia pela BR-101, em direção a Santa Catarina.

No Rio de Janeiro Oportunidade Seg

Loading...