quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Comunicado: Os mais de 300 demitidos da Prosegur Paraguai apresentam suas demanadas para reintegração.


Sindicato dos trabalhadores e empregados da Prosegur, Paraguai

Os atos:
1)No Paraguai, a Prosegur demitiu 327 trabalhadores.
2)A empresa fez as demissões depois de uma greve contra as condições de trabalho extremamente precárias, com jornadas de até 19 horas por dia.
3)Nossa greve foi legal de acordo com as leis paraguaias. 
A Prosegur desistiu da negociação, e pediu para declarar a greve como ilegal.
Sobre a situação que tem passado os trabalhadores da empresa Prosegur do Paraguai:
Informamos que nossa luta segue firme e cada vez estamos mais próximos de conseguir uma reintegração aos nossos postos de trabalho. Fomos demitidos por exercer nossos direitos, que são:
•Constituir um sindicato que foi legitimamente registrado e legalizado;
•Por exigir um reconhecimento pelo risco da profissão.
•Exigir um contrato coletivo onde a empresa usou táticas ditatoriais por 9 meses.
•Por exercer o direito a greve depois de esgotadas todas as possibilidades de negociação. 
Nossa greve nunca foi declarada ilegal, demitiram massivamente mais de 300 trabalhadores todos filiados 
ao sindicato. As demissões aconteceram depois de um golpe de estado ocorrido no Paraguai no dia 22 de junho deste ano. Os ministérios são utilizados para abrir caminho para aplicação de medidas anti sindicais por parte das empresas multinacionais como a Prosegur.
Nesta semana fomos à frente do Palácio de Justiça em Assunção entregar nossa proposta coletiva de reintegração com justificativa que nossa greve foi feita sob leis nacionais e internacionais. Prova disso é que agora, tanto a empresa Prosegur Paraguai quanto o Ministério de Justiça e Trabalho foram convocados por deputados a uma reunião para prestar contas sobre o que foi feito no conflito que resultou em nossas demissões.
Também queremos registrar, que em nossa luta não estamos sozinhos, que contamos com apoio internacional da UNI e da aliança dos sindicatos da Prosegur, a Confederação Sindical dos Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas (CSA) em todo o mundo eles estão atentos ao desenrolar das nossas exigências. Várias ações têm sido realizadas em países como Espanha, Portugal, Brasil, Chile, Uruguai, Colômbia, e onde tem se expressado grande solidariedade do movimento sindical a nível global. É inconcebível que uma empresa multinacional que assinou um acordo com as noções unidas tenha se comportado desta maneira.
A empresa Prosegur Paraguai segue se fechando entre quatro paredes sem poder explicar por que foram capazes de nos demitir com a injustificada causa de termos participado de uma greve legal.
O povo paraguaio, os meios de comunicação locais e internacionais devem estar cientes que iremos junto com a UNI Sindicato Global, centrais sindicais e organizações amigas até as ultimas consequências para conseguir a reintegração aos nossos trabalhadores e o sustento de nossas famílias.
Pelo direito a dignidade para os trabalhadores da segurança do Paraguai 
Pelo direito a um lugar para necessidades fisiológicas
Pelo direito a um horário e locais de refeição
Pelo direito a jornadas de trabalho descentes
Pelo direito a atenção médica para não morrermos em caminhões
Pelo direito a nos educar e estar com nossas famílias
Pelo respeito ao direito de sindicalização e negociação coletiva
Pelo respeito ao direito da greve no Paraguai
Viva a luta dos trabalhadores do SITEPROPASA, da 
Aliança Sindical UNI e da CSA - Fonte: Uni

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comunicado: Os mais de 300 demitidos da Prosegur Paraguai apresentam suas ...

O movimento sindical brasileiro perde uma mulher lutadora e guerreira; a família CSPB...

Quando o ex-presidente da CSPB, Raimundo Nonato Cruz, imprimiu novas estratégias na condução política e administrativa da Confederação, ainda no calor da Assembleia Nacional Constituinte, uma das suas decisões foi no sentido de incorporar novos quadros dirigentes.

Polícia apura conexão entre ataques a cofres eletrônicos:

A prisão em flagrante de um ladrão por volta das 23h30min de sábado, enquanto arrombava um caixa eletrônico em uma agência do Santander, na Avenida Assis Brasil, na Capital, reforçou ainda mais a certeza, entre policiais, da existência de uma conexão entre esse tipo de crimes em todo o país. É que, novamente, o criminoso surpreendido pela Brigada Militar é catarinense — como eram três dos quatro arrombadores presos em junho em Rio Pardo. E como catarinenses eram, também, os quatro ladrões presos em Vitória (ES), em março, com R$ 500 mil provenientes do arrombamento de uma agência bancária. O ladrão azarado da vez é Robson Muller, 28 anos, técnico em manutenção, de Joinville (SC). Pelo menos outro homem, que, segundo a polícia, vigiava a ação do bandido do lado de fora, conseguiu fugir em um automóvel, assim que a viatura da polícia chegou ao local, depois do acionamento do alarme da agência. Muller foi surpreendido enquanto operava uma furadeira. Ele ainda tinha outras ferramentas, como transformadores e alicates. Autuado por furto, o arrombador foi encaminhado ao Presídio Central. Na semana passada foram registrados outros dois casos relacionados a arrombamento de caixas eletrônicos do Santander no Estado. Na última quinta-feira, em Torres, Jeferson de Freitas, 29 anos, funcionário de uma fábrica de antenas parabólicas em Jaraguá do Sul (SC), foi encontrado por cinco PMs dentro de um táxi quando fugia pela BR-101, em direção a Santa Catarina.

No Rio de Janeiro Oportunidade Seg

Loading...