terça-feira, 4 de setembro de 2012

Desafios da CUT para o segundo semestre de 2012


A julgar pelas nuvens que se acumulam nos céus do hemisfério norte, precisaremos ser firmes e assertivos para manter o Brasil na rota do crescimento econômico. Neste cenário, cabe à CUT liderar os processos de
mobilização e negociação para garantir a justa distribuição da riqueza que está sendo produzida, fruto deste mesmo crescimento econômico, invertendo a lógica de que os esforços devem se concentrar na criação
de mecanismos que garantam ao capital a manutenção das suas margens de lucro e acumulação, ampliando a concentração global da renda.
Estes mecanismos são sempre os mesmos: a flexibilização dos direitos trabalhistas e o corte de investimentos nas políticas públicas. Segundo dados publicados pelo Credit Suisse no Relatório da Riqueza Global, a concentração de renda entre 2010 e 2011 aumentou 29% e menos de 1% da população mundial controla 38,5% da riqueza global.
Apesar de todo o movimento que o Brasil viveu na última década, com o fortalecimento do mercado interno, a redução da pobreza e a grande inclusão social promovida através do crescimento do emprego e das políticas compensatórias, precisamos admitir que a dinâmica econômica e social no Brasil continua favorecendo a concentração de renda. É nosso o desafio de construir estratégias para fazer a disputa pelo novo modelo de desenvolvimento do qual tanto falamos.
Estamos assistindo a um conjunto de greves no serviço público que denuncia a falta de projeto de desenvolvimento para o país. Será possível para o Brasil se tornar um país desenvolvido sem um investimento pesado em saúde e educação? A resposta é consenso, mas a forma como vem sendo
conduzida a política econômica denuncia uma grande contradição no discurso do governo. Tragédia anunciada no início do ano pelos ministros Guido Mantega e Miriam Belchior com o corte de 55 bilhões
no orçamento, todos nós já sabíamos qual seria o final da história. As greves no serviço público estão expondo a estratégia do governo que jogam o prejuízo para a classe trabalhadora, agravada por uma política opressiva que não favorece os espaços de negociação.
Por sua vez, o empresariado recebe tratamento diferente do governo. O setor automotivo, com a política de redução do IPI, vai de vento em popa e nunca se vendeu tanto carro no país. O mês de junho registrou um aumento de 24% em comparação com maio, sendo considerado o segundo melhor mês da história pela ANFAVEA. A justificativa usada para as medidas de desoneração fiscal adotadas pelo governo é que se trata de concessão transitória, visando ampliar o número de postos de trabalho e manter a economia aquecida o que, a princípio, deveria compensar a renuncia fiscal e o desfalque de recursos para as políticas públicas com o aumento no nível de emprego. Entretanto, a impressão que Desafios da CUT para o segundo semestre de 2012fica é que o destino dos trabalhadores está nas mãos da decisão do governo de manter uma política de desoneração, o que na sua lógica é um grande risco não apenas para a classe trabalhadora, mas para o projeto de desenvolvimento do Brasil. Uma lógica invertida por uma
propaganda enganosa.
Outro Conto da Carochinha é a política de redução das taxas de juros bancários iniciada pelo governo através do Banco do Brasil e da Caixa Econômica. Uma jogada de marketing admirável, que valoriza a
imagem do sistema financeiro como um agente comprometido com o desenvolvimento no país. Além de toda a propaganda feita pelo Banco do Brasil, Caixa Econômica, Bradesco e Itaú, o que podemos ver é a
redução de algumas taxas de financiamento e empréstimo para uma parte da população em troca do aumento das tarifas bancárias.
Neste cenário, o segundo semestre de 2012 promete ser o palco de grandes disputas e do acirramento na relação capital X trabalho no Brasil. A Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente, que reuniu
trabalhadores/as, empregadores, governo e sociedade civil para discutir avanços para as relações de trabalho no Brasil, terminou como um triste retrato da realidade das relações capital x trabalho e exige uma
profunda reflexão sobre as estratégias do movimento sindical e da CUT de maneira particular.
Com um comportamento que destoa daquilo que prega um projeto de desenvolvimento para o Brasil baseado na ampliação de direitos e valorização do trabalho, os empresários boicotaram a Conferência
e até o último momento e buscaram alternativas para uma saída à francesa, sem deixar claro o abandono. A questão central é que se tratava de uma conferência de trabalho decente, vejam que o trabalho está adjetivado. Avançar em direitos trabalhistas não é definitivamente uma pauta empresarial, mesmo que acompanhada das tão sonhadas desonerações e mais desonerações.
A experiência da Conferência deve ser uma referência para avaliarmos a forma de participação de trabalhadores em diferentes espaços de diálogo. Quando se trata de tripartismo, a participação empresarial está exclusivamente voltada para a busca de vantagens que resultem em aumento dos lucros e total liberdade de atuação e exploração dos trabalhadores.
Diante desta conjuntura, o que nos cabe? Fazer o que é a nossa especialidade, organizar e mobilizar a classe trabalhadora para negociar. Não existe capital sem trabalho, não existe geração de riqueza sem trabalho, por isso o fruto do trabalho deve ser justamente repartido, é isso que vamos dizer aos banqueiros e aos empresários do setor metalúrgico e da indústria de maneira geral. É na mesa de negociação que vamos disputar o que nos é de direito neste momento histórico particular. Não existe desenvolvimento sustentável
sem trabalho decente. Somos uma central sindical classista, vamos fazer a luta de classe a partir do seu instrumento mais poderoso, através do trabalhador e da trabalhadora conscientes dos seus direitos e
organizados para a negociação.

Escrito por: Maria das Graças
Costa, secretária nacional de
Relações do Trabalho CUT


Maria das Graças Costa nasceu no dia 23/09, em Ibaretama, no Estado do Ceará. É filha de Francisca Freitas da Costa, e João Américo da Costa, trabalhadora e trabalhador rural. É mãe de Grenda Lisley e Gêrda Lívia. É Professora da Prefeitura Municipal de Quixadá desde 1984.
É formada em Ciências e Historiadora pela Universidade Estadual do Ceará. Pós-Graduada em Democracia Participativa, República e Movimentos Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais.Sua trajetória de vida na militância começou muito cedo nos movimentos sociais de base. Contribuiu com a fundação do Partido dos Trabalhadores no Município de Ibaretama.Fundou a Associação dos Professores Municipais do Interior do Ceará – APROMICE assumindo as funções de Secretária Geral (1987-1989) e Coordenadora no período de 1990 a 1993. Em 06 de janeiro de 1989 participou da fundação do sindicato Servidores Públicos Municipais de Quixadá, Ibaretama, Banabuiu, Choró e Ibicuitinga onde foi Secretária de Finanças e Presidenta e atualmente Secretária da Mulher Trabalhadora. Nesse sindicato, promoveu na região do Sertão Central a implantação de uma verdadeira Cultura de Equidade de Gênero e Remuneração, discussão esta internacional, que resultou na criação do Primeiro Comitê de Equidade de gênero e Remuneração da América Latina, na cidade de Quixadá, Ceará, no qual é integrante. Participou ainda, da Direção da CUT Sertão Central e da Direção no Estado do Ceará. Na Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará – FETAMCE ocupou os cargos de Secretária de Finanças e Presidenta. É integrante do Comitê Mundial de Mulheres da Internacional dos Serviços Públicos (ISP) organizada em 153 países. Graça Costa é Presidenta da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal – CONFETAM/CUT, organizando mais de cinco milhões de trabalhadores e trabalhadoras municipais em todo o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comunicado: Os mais de 300 demitidos da Prosegur Paraguai apresentam suas ...

O movimento sindical brasileiro perde uma mulher lutadora e guerreira; a família CSPB...

Quando o ex-presidente da CSPB, Raimundo Nonato Cruz, imprimiu novas estratégias na condução política e administrativa da Confederação, ainda no calor da Assembleia Nacional Constituinte, uma das suas decisões foi no sentido de incorporar novos quadros dirigentes.

Polícia apura conexão entre ataques a cofres eletrônicos:

A prisão em flagrante de um ladrão por volta das 23h30min de sábado, enquanto arrombava um caixa eletrônico em uma agência do Santander, na Avenida Assis Brasil, na Capital, reforçou ainda mais a certeza, entre policiais, da existência de uma conexão entre esse tipo de crimes em todo o país. É que, novamente, o criminoso surpreendido pela Brigada Militar é catarinense — como eram três dos quatro arrombadores presos em junho em Rio Pardo. E como catarinenses eram, também, os quatro ladrões presos em Vitória (ES), em março, com R$ 500 mil provenientes do arrombamento de uma agência bancária. O ladrão azarado da vez é Robson Muller, 28 anos, técnico em manutenção, de Joinville (SC). Pelo menos outro homem, que, segundo a polícia, vigiava a ação do bandido do lado de fora, conseguiu fugir em um automóvel, assim que a viatura da polícia chegou ao local, depois do acionamento do alarme da agência. Muller foi surpreendido enquanto operava uma furadeira. Ele ainda tinha outras ferramentas, como transformadores e alicates. Autuado por furto, o arrombador foi encaminhado ao Presídio Central. Na semana passada foram registrados outros dois casos relacionados a arrombamento de caixas eletrônicos do Santander no Estado. Na última quinta-feira, em Torres, Jeferson de Freitas, 29 anos, funcionário de uma fábrica de antenas parabólicas em Jaraguá do Sul (SC), foi encontrado por cinco PMs dentro de um táxi quando fugia pela BR-101, em direção a Santa Catarina.

No Rio de Janeiro Oportunidade Seg

Loading...