quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O movimento sindical brasileiro perde uma mulher lutadora e guerreira; a família CSPB está em luto com a perda de uma grande companheira

Quando o ex-presidente da CSPB, Raimundo Nonato Cruz, imprimiu novas estratégias na condução política e administrativa da Confederação, ainda no calor da Assembleia Nacional Constituinte,  uma das suas decisões foi no sentido de incorporar novos quadros dirigentes.
Nonato iniciava o processo de transformação da CSPB em confederação sindical nacional, de acordo com as regulamentações da CLT e as novas conquistas incorporadas na Constituição Cidadã de 1988, para as quais a Confederação dos Servidores Públicos do Brasil havia dado contribuições decisivas.
A participação de novos dirigentes nos quadros da CSPB, vindos de quase todos os estados do País, trouxe novo vigor à Confederação que passou a ter atuação  mais dinâmica na defesa dos direitos do funcionalismo público brasileiro,  a esta altura, já ameaçados pelas reformas do Governo Collor.
A luta contra o retrocesso uniu a CSPB e fortaleceu a sua presença nas questões da categoria profissional dos servidores públicos, em lutas memoráveis em todos os governos subsequentes, de Collor , FHC a Lula.
Serviu, também, para revelar novos talentos e novas lideranças. Entre estas, se destacou Maria José Mentes, valente e combativa, mais corajosa do que muitos homens, franca e direta nos debates, leal e companheira nas lutas e na convivência pessoal.
De pronto adquiriu e manteve o respeito de todos. Era a autêntica “comandante em chefe” da aguerrida delegação da Paraíba que sempre se destacou nos eventos conjuntos do funcionalismo público.
E assim se firmou, mantendo participação ativa e permanente, fundamental e imprescindível, para que a CSPB alcançasse o patamar em que se encontra hoje. Simplesmente Maria, no começo da caminhada, foi acolhida e se transformou em Mazé, no âmbito das ações sindicais e institucionais da Confederação, num ambiente ainda dominado pelas concepções machistas.
Maria abriu espaços e consolidou a presença destacada das mulheres no movimento sindical do setor público, não só na CSPB, onde exercia o cargo de Diretora Nacional de Imprensa e Comunicação,  como em outras organizações nacionais e internacionais.
Foi a primeira mulher a assumir a presidência de uma diretoria regional da Nova Central,  exercendo o cargo de presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores da Paraíba, da qual se afastou por motivo de doença.
De todos os que a conhecemos e ao lado dela militamos, de todos que puderam conviver com ela e dela tornaram-se  amigo ou amiga, sabem  da imensa capacidade de acolhimento de que era capaz Maria José Mendes. Um coração maior do que o mundo para acolher e ajudar companheiros e companheiros, irmãos e irmãos de luta.
De todos, nesse momento, além da saudade e do exemplo, permanece a história de uma lutadora social que, pelas suas ações, da lei da morte se libertou, para continuar viva nos caminhos que construiu e nas lembranças  de muitas pessoas, inclusive daquelas a quem ensinou a caminhar, na vida e na luta.
Adeus, Maria.
Saudações sindicais e fraternais.

Fonte: http://www.ncst.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comunicado: Os mais de 300 demitidos da Prosegur Paraguai apresentam suas ...

O movimento sindical brasileiro perde uma mulher lutadora e guerreira; a família CSPB...

Quando o ex-presidente da CSPB, Raimundo Nonato Cruz, imprimiu novas estratégias na condução política e administrativa da Confederação, ainda no calor da Assembleia Nacional Constituinte, uma das suas decisões foi no sentido de incorporar novos quadros dirigentes.

Polícia apura conexão entre ataques a cofres eletrônicos:

A prisão em flagrante de um ladrão por volta das 23h30min de sábado, enquanto arrombava um caixa eletrônico em uma agência do Santander, na Avenida Assis Brasil, na Capital, reforçou ainda mais a certeza, entre policiais, da existência de uma conexão entre esse tipo de crimes em todo o país. É que, novamente, o criminoso surpreendido pela Brigada Militar é catarinense — como eram três dos quatro arrombadores presos em junho em Rio Pardo. E como catarinenses eram, também, os quatro ladrões presos em Vitória (ES), em março, com R$ 500 mil provenientes do arrombamento de uma agência bancária. O ladrão azarado da vez é Robson Muller, 28 anos, técnico em manutenção, de Joinville (SC). Pelo menos outro homem, que, segundo a polícia, vigiava a ação do bandido do lado de fora, conseguiu fugir em um automóvel, assim que a viatura da polícia chegou ao local, depois do acionamento do alarme da agência. Muller foi surpreendido enquanto operava uma furadeira. Ele ainda tinha outras ferramentas, como transformadores e alicates. Autuado por furto, o arrombador foi encaminhado ao Presídio Central. Na semana passada foram registrados outros dois casos relacionados a arrombamento de caixas eletrônicos do Santander no Estado. Na última quinta-feira, em Torres, Jeferson de Freitas, 29 anos, funcionário de uma fábrica de antenas parabólicas em Jaraguá do Sul (SC), foi encontrado por cinco PMs dentro de um táxi quando fugia pela BR-101, em direção a Santa Catarina.

No Rio de Janeiro Oportunidade Seg

Loading...