terça-feira, 28 de agosto de 2012

As 15 horas de pavor do gerente do Banco do Brasil sequestrado em Florianópolis


Polícia busca pistas de quadrilha que rendeu bancário e funcionários de agência

 - Ainda estou assimilando tudo o que aconteceu.



Cabisbaixo, abatido e em apenas uma frase, o gerente do Banco do Brasil na Lagoa da Conceição, em Florianópolis, resumiu a razão que o levaria a ficar em silêncio e a não querer relembrar as 15 horas de terror que viveu nas mãos de bandidos.
De terno, ao lado do advogado do banco, o gerente, que pediu para não ser identificado, conversou rapidamente com o DC na saída da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), no Estreito, no começo da noite de sexta-feira.
Passava das 18h e o funcionário havia prestado depoimento de mais de duas horas ao delegado Anselmo Cruz, na tentativa de trazer à polícia os detalhes que possam levar à prisão da quadrilha que o sequestrara na noite de quinta-feira.
O gerente havia passado a noite em poder de assaltantes em um quarto da Pousada do Lima, na Rua Osni Ortiga, onde mora há dois meses, na Lagoa. Além da ameaça de armas, os bandidos o amedrontaram psicologicamente, prendendo uma suposta bomba em sua cintura desde o momento em que foi rendido. Vigiado de perto durante à noite toda, o gerente não conseguiu dormir.
De manhã, foi levado para a agência, onde os bandidos pegaram o dinheiro do cofre e também dos caixas eletrônicos. Estima-se que tenham roubado R$ 500 mil. Fugiram pelo morro da Lagoa, em direção ao Centro, passando por câmeras de vigilância. Apesar disso, conseguiram escapar, pois a polícia demorou para ser acionada.
O sequestro seguido de roubo chamou a atenção por ter ocorrido justamente no dia em que a polícia anunciou a prisão, no Rio Grande do Sul, do assaltante de bancos Enivaldo Farias, o Cafuringa. O criminoso é especialista nesse tipo de crime e a sua quadrilha cometeu este ano assaltos semelhantes em Içara, Sombrio e Forquilhinha, no Sul catarinense. Ainda há integrantes do grupo que estão foragidos.
Para a polícia, a quadrilha que atacou na Lagoa não é da Grande Florianópolis, pois esse modo de agir, de vigiar antecipadamente os alvos do banco, não é comum na região. Um dos ladrões apresentava sotaque baiano.

O bando agiu mais com a intimidação, em relação às bombas, do que com violência. Na hora de colocar o suposto explosivo no corpo do gerente, simulavam que poderia explodir e a prenderam devagar. Na hora de retirá-la do corpo, puxaram com força.
A BOMBA
Dois tubos de PVC fechados por durepox e com fios de cores diferentes amarrados a um celular eram a suposta bomba usada pelos bandidos no banco como ameaça de mandar para tudo para os ares caso chamassem a polícia. O suposto artefato foi desativado de manhã, na agência. Depois de perícia, à noite, foi levado para a Deic. O delegado Anselmo Cruz disse que não havia explosivos, mas, na verdade, da simulação de uma bomba e, em hipótese alguma, poderia haver detonação, muito menos à distância.
A VÍTIMA
O gerente não é de Florianópolis e estaria há dois meses na função, na agência da Lagoa. Ele estava em seu Fiat Uno quando foi rendido, na frente da pousada. Os bandidos o seguiam num carro, mas no portão havia uma moto com outros assaltantes esperando por ele. A polícia acredita que ele teve a rotina monitorada pela quadrilha, assim como outros funcionários do banco. Os bandidos usavam essas informações para amedrontá-los e ameaçá-los.
A QUADRILHA
Para a polícia, a quadrilha não é da Grande Florianópolis, pois esse modo de agir não é comum na região. Um dos ladrões apresentava sotaque baiano. O bando agiu mais com a intimidação, em relação às bombas, que com violência. Na hora de colocar a suposta bomba no corpo do gerente, fizeram teatro a prendendo devagar e fingindo que poderia explodir. Na hora de retirá-la do corpo, puxaram com força.
A INVESTIGAÇÃO
Imagens de câmeras da Polícia Militar nas ruas estão com a Deic para a investigação. A principal, na rua do banco, pode não ter flagrado muita coisa porque foca vários pontos simultaneamente. Policiais experientes ouvidos pelo DC não descartam que o bando tenha tido informação privilegiada. Outros policiais lamentaram a demora do banco em avisar a polícia depois que os ladrões fugiram.
A POUSADA
O local em que os bandidos ficaram a noite com o gerente passou o dia com o portão fechado. O DC esteve na pousada, à tarde. A funcionária que atendeu disse que não sabia de nada. Em contato com à polícia, a reportagem foi informada que não seria permitida a entrada da reportagem nem dadas informações no lugar. O ambiente é discreto, com os dormitórios distantes da rua Osni Ortiga. Vizinhos disseram que visitantes têm dificuldade em comunicar-se com alguém dentro porque na fachada não há campainha. É preciso telefonar para que alguém venha ao encontro.

COMO FOI
1) No início da noite de quinta-feira, às 19h, o gerente é abordado por dois homens quando chegava à pousada onde mora, na Rua Osni Ortiga, via que margeia a Lagoa da Conceição. Os três entram no apartamento onde mora há dois meses, desde que chegou a Florianópolis. Pouco depois, um dos homens vai embora, deixando o gerente sob a vigilância do comparsa armado.
2) Com uma suposta bomba amarrada à cintura, o gerente passa a noite toda acompanhado do bandido e sob a mira de um revólver. O artefato era formado por dois tubos de PVC com fios ligados a um telefone celular.
3) Por volta de 7h30min de sexta-feira, o gerente e o bandido saem da pousada e, no carro do bancário, seguem até a agência do Banco do Brasil na Lagoa. Os bandidos obrigam o gerente a abrir as portas da agência para o grupo.
4) Conforme vão chegando para trabalhar, os funcionários da agência vão sendo rendidos pelos bandidos. Cerca de 10 são feitos reféns, inclusive o vigia. Enquanto esperam pela abertura automática do cofre da agência, os ladrões aproveitam para pegar o dinheiro dos caixas eletrônicos. Eles também colocam sobre uma das mesas um artefato que seria uma bomba, para intimidar os funcionários. Horas mais tarde, a polícia aponta que era uma falsa bomba.
5) Às 9h20min, o cofre abre automaticamente e os bandidos passam a retirar o dinheiro. O Banco do Brasil não confirmou oficialmente, mas funcionários afirmam que havia cerca de R$ 500 mil dentro do cofre. O bando leva tudo que havia no local.
6) Os bandidos retiram a suposta bomba que estava amarrada à cintura do gerente, tomam outro funcionário como refém. Ele é colocado no porta-malas do seu próprio carro, que é usado na fuga pelos bandidos. Os ladrões seguem com o carro e o refém até o Morro da Lagoa da Conceição, onde param e abandonam o veículo.
7) Outro carro passa pelo local e pega os ladrões, que somem sem deixar pistas. O funcionário consegue sair do porta-malas e dirige o carro até a agência do Banco do Brasil no Bairro Trindade, onde avisa sobre o assalto.
Fonte: Diário Catarinense 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comunicado: Os mais de 300 demitidos da Prosegur Paraguai apresentam suas ...

O movimento sindical brasileiro perde uma mulher lutadora e guerreira; a família CSPB...

Quando o ex-presidente da CSPB, Raimundo Nonato Cruz, imprimiu novas estratégias na condução política e administrativa da Confederação, ainda no calor da Assembleia Nacional Constituinte, uma das suas decisões foi no sentido de incorporar novos quadros dirigentes.

Polícia apura conexão entre ataques a cofres eletrônicos:

A prisão em flagrante de um ladrão por volta das 23h30min de sábado, enquanto arrombava um caixa eletrônico em uma agência do Santander, na Avenida Assis Brasil, na Capital, reforçou ainda mais a certeza, entre policiais, da existência de uma conexão entre esse tipo de crimes em todo o país. É que, novamente, o criminoso surpreendido pela Brigada Militar é catarinense — como eram três dos quatro arrombadores presos em junho em Rio Pardo. E como catarinenses eram, também, os quatro ladrões presos em Vitória (ES), em março, com R$ 500 mil provenientes do arrombamento de uma agência bancária. O ladrão azarado da vez é Robson Muller, 28 anos, técnico em manutenção, de Joinville (SC). Pelo menos outro homem, que, segundo a polícia, vigiava a ação do bandido do lado de fora, conseguiu fugir em um automóvel, assim que a viatura da polícia chegou ao local, depois do acionamento do alarme da agência. Muller foi surpreendido enquanto operava uma furadeira. Ele ainda tinha outras ferramentas, como transformadores e alicates. Autuado por furto, o arrombador foi encaminhado ao Presídio Central. Na semana passada foram registrados outros dois casos relacionados a arrombamento de caixas eletrônicos do Santander no Estado. Na última quinta-feira, em Torres, Jeferson de Freitas, 29 anos, funcionário de uma fábrica de antenas parabólicas em Jaraguá do Sul (SC), foi encontrado por cinco PMs dentro de um táxi quando fugia pela BR-101, em direção a Santa Catarina.

No Rio de Janeiro Oportunidade Seg

Loading...