quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Sindicato dos Vigilantes de Curitiba:








Em 24 de outubro de 1979 foi fundada a Associação dos Vigilantes de Curitiba. Antes de se tornar efetivamente um sindicato, por exigências legislativas da época com a constituição de 88, a Associação tornou-se Associação Profissional dos Empregados em Empresas de Segurança e Vigilância em 11 de dezembro de 1985. Quase quatro meses depois, no dia 21 de abril de 1986, surge o Sindicato dos Empregados em Empresas de Segurança e Vigilância de Curitiba.

1989: ano marcado por grandes mudanças

O ano de 1989 foi um grande marco para os vigilantes de Curitiba. O Sindicato estava passando por uma fase difícil para os vigilantes. Foi nesse ano que um movimento retomou o sindicato para a mão dos trabalhadores, época em que João Soares assumiu a tesouraria da entidade. Com a retomada do sindicato de Curitiba, iniciou-se uma grande campanha de filiação fazendo com que a categoria se aproximasse das entidades sindicais em todo o estado, fortalecendo as lutas em defesa dos interesses dos trabalhadores. Foram as ações coletivas e o apoio da categoria que possibilitaram a fundação da Fetravispp no final de 1989, dando mais corpo e estrutura para a luta dos vigilantes em Curitiba e nas demais bases.

O ano de 1989 também foi marcado por uma grande greve realizada em meio aos tumultos causados pela inflação exorbitante do período. A paralisação durou 14 dias e os vigilantes do Paraná conquistaram o maior piso do país. Em termos reais o ganho foi de 115%.

História de grandes mobilizações

A intransigência dos patrões não é novidade. Entre os anos de 1990 e 1991 aconteceram quatro greves da categoria. No dia 12 de junho aconteceu a primeira paralisação para garantir o cumprimento da CCT, que durou dez dias. O segundo movimento paredista começou no dia 6 de novembro e durou quatro dias, em prol da reposição salarial referente ao ano anterior, por conta do Plano Collor.

Os vigilantes cruzaram os braços pela terceira vez no dia 30 de janeiro, já em campanha salarial, retornando ao trabalho após sete dias de greve. No dia 6 de março os vigilantes voltaram às ruas na quarta paralisação em nove meses por conta do descumprimento da decisão do Tribunal Regional do Trabalho por parte das empresas. Dessa vez a paralização foi geral, com seis dias de manifestações.

Em 1994 estourou uma nova greve, no dia 8 de abril, trazendo vitória para a categoria mais uma vez. No ano seguinte, um novo movimento paredista aconteceu. Essa greve foi marcada por um forte enfrentamento com a Polícia Militar. Muitos vigilantes e dirigentes sindicais foram presos.

A cada campanha salarial os vigilantes de Curitiba permanecem firmes lutando contra a intransigência patronal. Até os dias atuais os vigilantes de Curitiba e de todo o Paraná possuem o maior piso do país, ficando somente atrás de Brasília, onde os custos de vida são elevadíssimos.




Rua Iapó, 1566 | Prado Velho
                                CEP 80215-020 | Curitiba | ParanáFone/fax: (41) 3332 9293


                                                       contato@vigilantescuritiba.org.br





Fonte: Site do Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e Região

Visite o Site do Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e Região.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comunicado: Os mais de 300 demitidos da Prosegur Paraguai apresentam suas ...

O movimento sindical brasileiro perde uma mulher lutadora e guerreira; a família CSPB...

Quando o ex-presidente da CSPB, Raimundo Nonato Cruz, imprimiu novas estratégias na condução política e administrativa da Confederação, ainda no calor da Assembleia Nacional Constituinte, uma das suas decisões foi no sentido de incorporar novos quadros dirigentes.

Polícia apura conexão entre ataques a cofres eletrônicos:

A prisão em flagrante de um ladrão por volta das 23h30min de sábado, enquanto arrombava um caixa eletrônico em uma agência do Santander, na Avenida Assis Brasil, na Capital, reforçou ainda mais a certeza, entre policiais, da existência de uma conexão entre esse tipo de crimes em todo o país. É que, novamente, o criminoso surpreendido pela Brigada Militar é catarinense — como eram três dos quatro arrombadores presos em junho em Rio Pardo. E como catarinenses eram, também, os quatro ladrões presos em Vitória (ES), em março, com R$ 500 mil provenientes do arrombamento de uma agência bancária. O ladrão azarado da vez é Robson Muller, 28 anos, técnico em manutenção, de Joinville (SC). Pelo menos outro homem, que, segundo a polícia, vigiava a ação do bandido do lado de fora, conseguiu fugir em um automóvel, assim que a viatura da polícia chegou ao local, depois do acionamento do alarme da agência. Muller foi surpreendido enquanto operava uma furadeira. Ele ainda tinha outras ferramentas, como transformadores e alicates. Autuado por furto, o arrombador foi encaminhado ao Presídio Central. Na semana passada foram registrados outros dois casos relacionados a arrombamento de caixas eletrônicos do Santander no Estado. Na última quinta-feira, em Torres, Jeferson de Freitas, 29 anos, funcionário de uma fábrica de antenas parabólicas em Jaraguá do Sul (SC), foi encontrado por cinco PMs dentro de um táxi quando fugia pela BR-101, em direção a Santa Catarina.

No Rio de Janeiro Oportunidade Seg

Loading...